Raízes Aéreas

Engenheiros do Hawaii

In Música pelo mundo on 26 de junho de 2011 at 14:56

Engenheiros do Hawaii é uma banda brasileira de rock and roll, formada em 1984 na cidade de Porto Alegre, que alcançou grande popularidade com suas canções irônicas e críticas. O vocalista Humberto Gessinger é o único integrante original a permanecer no grupo até hoje.

Os primeiros anos (1984 – 1989)

Quatro estudantes da Faculdade de Arquitetura da UFRGS – Humberto Gessinger (vocal e guitarra), Carlos Stein (guitarra), Marcelo Pitz (baixo) e Carlos Maltz (bateria) – resolveram formar uma banda apenas para uma apresentação em um festival da faculdade, que aconteceria por protesto à paralisação de aulas. O primeiro show da banda foi em 11 de janeiro de 1985. Escolheram o nome Engenheiros do Hawaii para satirizar os estudantes de engenharia que andavam com bermudas de surfista, com quem tinham uma certa rixa.

Começaram a surgir propostas para novos shows e, após, algumas apresentações em palcos alternativos de Porto Alegre juntamente com uma série de shows pelo interior do Rio Grande do Sul. A banda, em menos de quatro meses de carreira já consegue gravar duas músicas na coletânea Rock Grande do Sul (1985) com diversas bandas gaúchas, em razão de uma das bandas vencedoras do concurso adicionador à coletânea ter desistido da participação do álbum na última hora.

Quando a banda seguiu com seus ensaios, durante a greve da faculdade, Carlos Stein realizou uma viagem, o que acabou inviabilizando sua permanência no grupo, e, tempos depois, ele passa a integrar a banda Nenhum de Nós. Meses passaram, e os Engenheiros do Hawaii gravam o seu primeiro álbum: Longe Demais das Capitais, em 1986. O norte musical do disco apontava para um som voltado à música pop, muito próximo ao ska de bandas como o The Police e Os Paralamas do Sucesso. Destacam-se as canções “Toda Forma de Poder”, que foi tema da novela Hipertensão da Rede Globo e “Segurança”, além de “Sopa de Letrinhas” e “Longe Demais das Capitais”.

Antes de começarem as gravações do segundo disco, Marcelo Pitz deixa a banda por motivos pessoais. Com Gessinger assumindo o baixo, entra o guitarrista Augusto Licks, que havia trabalhado com Nei Lisboa, conhecido músico gaúcho.

Os Engenheiros lançam o disco A Revolta dos Dândis, em 1987. A banda muda o direcionamento temático, iniciando uma trilogia baseada no rock progressivo, com discos com repetições de temas gráficos e musicais e letras em que ocorre a auto-citação. Os arranjos musicais são influenciados pelo rock dos anos 60, as letras são críticas, com ocorrência de várias antíteses e paradoxos e aparecem citações literárias de filósofos, como Camus e Sartre. Destaque para os hits “Infinita Highway”, “Terra de Gigantes”, “Refrão de Bolero” e a faixa título, dividida em duas partes. Começam os shows para grandes plateias nos centros urbanos do país, como o festival Alternativa Nativa, realizado entre 14 e 17 de junho de 1987. A partir desta data, os Engenheiros encheriam ginásios e estádios pelo Brasil afora. Porém, houve polêmicas e a banda chegou mesmo a ser acusada de elitista e fascista pelo conteúdo de suas letras. As polêmicas se intensificaram quando membros da banda se apresentaram com camisetas estampadas com a Estrela de Davi e a Suástica.

O disco seguinte, Ouça o que Eu Digo: Não Ouça Ninguém, de 1988, pode ser visto como uma continuidade do anterior, tanto pelo trabalho da capa do álbum como pelo tema e estilo de suas canções. Destaque para as músicas “Somos Quem Podemos Ser”, “Cidade em Chamas”, “Tribos & Tribunais”, a faixa-título e “Variações Sobre o Mesmo Tema”, esta última uma homenagem à banda Pink Floyd, com sua estética progressiva e dividida em três partes. O álbum também marca a saída dos Engenheiros da cidade de Porto Alegre, indo morar no Rio de Janeiro.

Consolidada a nova formação, os Engenheiros lançam Alívio Imediato, de 1989, quarto disco da banda e o primeiro registro ao vivo. Suas canções mostram uma retrospectiva de suas principais canções e as novas perspectivas a serem incorporadas, em especial o som mais eletrônico, presente na faixa título e na música “Nau à Deriva”, ambas gravadas em estúdio e as demais gravadas ao vivo no Canecão, no Rio de Janeiro.

Mudança para o Rio de Janeiro (1990 – 1993)

O disco seguinte, O Papa é Pop, de 1990 consolida a mudança de sonoridade da banda. Puxados pelo sucesso “Era um Garoto que Como Eu Amava os Beatles e os Rolling Stones”, regravação de uma velha canção do grupo Os Incríveis (por sua vez versão da canção “C’era un ragazzo che come me amava i Beatles e i Rolling Stones” de Gianni Morandi), e a faixa-título, o quinto disco dos Engenheiros investe no som progressivo, calçado nos solos de guitarra de Licks e em uma base mais eletrônica de teclados e bateria. Gessinger passa a assumir também os teclados da banda e começam a surgir as baladas de piano e voz da banda. São dele as canções “Anoiteceu em Porto Alegre”, “O Exército de um Homem Só” (dividida em duas partes), “Pra Ser Sincero” e “Perfeita Simetria” (versão alternativa da canção “O Papa é Pop”). Em meio aos novos sucessos, uma antiga canção, “Refrão de Bolero”, oriunda do segundo disco, A Revolta dos Dândis, também era bastante executada pelas rádios. Aclamados pelo público e massacrados pela crítica, os Engenheiros do Hawaii consagram-se no Rock in Rio II, arrancando elogios do jornal americano New York Times, apesar de ignorados pela Folha de São Paulo.

O ano de 1991 marca o lançamento do sexto disco, Várias Variáveis, que completa a trilogia iniciada no segundo e terceiro discos da banda. Há redução dos efeitos eletrônicos e a retomada de um som mais rock ‘n’ roll, mas não repete o mesmo sucesso do anterior, mesmo tendo a canção “Herdeiro da Pampa Pobre”, regravação de um antigo sucesso de Gaúcho da Fronteira, bastante executada nas rádios. Este é um dos discos que contém as melhores letras do grupo, porém, o som não é o forte do álbum, sendo o mesmo questionado hoje até pelo próprio Gessinger. Pode-se dizer que foi um disco seminal, pois canções como “Piano Bar”, “Muros & Grades” e “Ando Só”, em regravações em outros discos, estabeleceram-se como algumas das melhores da banda.

No ano seguinte, 1992, é lançado o sétimo disco, Gessinger, Licks & Maltz, ou GLM, inspirado no famoso logotipo ELP de Emerson, Lake & Palmer. O som continua mesclando elementos de MPB e rock progressivo, com destaque para as canções “Ninguém = Ninguém”, “A Conquista do Espaço”, “Pose (Anos 90)” e “Parabólica”, canção que Gessinger fez em homenagem a sua filha Clara, nascida em fevereiro do mesmo ano.

O oitavo disco dos Engenheiros é o semi-acústico Filmes de Guerra, Canções de Amor, de 1993, gravado ao vivo na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro. A banda considerava este disco como acústico, pois condicionava tal formato à ausência de bateria e às guitarras semi-acústicas. Na época não existia a febre de acústicos gravados pelos grandes nomes nacionais, o que denota o caráter visionário da banda. O disco foi gravado ao vivo por uma decisão da banda de gravar um álbum ao vivo a cada três álbuns, uma ideia da banda Rush, que faz o mesmo. Com guitarras acústicas, percussão, piano, acordeão e participação da Orquestra Sinfônica Brasileira em três faixas, regida por Wagner Tiso, as velhas canções – como “Muros & Grades”, “O Exército de um Homem Só” e “Crônica” – e novas composições – como “Mapas do Acaso” e “Quanto Vale a Vida?”, ganharam arranjos que apontavam para o blues, a música tradicionalista e a erudita, ressaltando a excelente qualidade das letras dos Engenheiros do Hawaii. A banda chegou a participar, ainda no mesmo ano, do festival Hollywood Rock Brasil, junto com os brasileiros do Biquini Cavadão, De Falla, Dr. Sin e Midnight Blues Band. Entretanto não foram bem recepcionados e receberam muitas vaias. Eles se apresentaram no mesmo dia de L7 e Nirvana.

O ano de 1993 marca também a primeira excursão dos Engenheiros pelo Japão e Estados Unidos da América. Porém, no final deste mesmo ano, discussões e rixas internas acabaram por resultar na saída do guitarrista Augusto Licks. Inicia-se uma longa disputa jurídica pela marca “Engenheiros do Hawaii”, tendo Gessinger e Maltz finalmente ficado com o nome da banda.

Nova fase (2000 – 2003)

Da turnê de ¡Tchau Radar!, surgiu o terceiro disco ao vivo da banda, e o décimo segundo de sua carreira: 10.000 Destinos. Novamente, Gessinger repassa o repertório consagrado da banda em novas versões divididas em um set acústico e um elétrico e conta com a participação de Paulo Ricardo, cantando “Rádio Pirata” do RPM, e do gaiteiro Renato Borghetti nas canções “Refrão de um Bolero” e “Toda Forma de Poder”. Como faixas-bônus, gravadas em estúdio, acompanham as inéditas “Números” e “Novos Horizontes”, além da regravação de “Quando o Carnaval Chegar”, de Chico Buarque.

Alguns meses após a apresentação no Rock in Rio III (2001), Lúcio, Adal e Luciano saem da banda e montam outro grupo, Massa Crítica, mudando novamente a formação dos Engenheiros. Lúcio, Adal e Luciano são substituídos por Paulinho Galvão (guitarra), Bernardo Fonseca (baixo) e Gláucio Ayala (bateria). Gessinger volta a tocar guitarra, após 14 anos responsável pelo contrabaixo dos Engenheiros. Com essa nova formação eles regravam algumas músicas da banda e lançam uma re-edição de seu último disco, agora intitulado 10.001 Destinos. Duplo, traz as mesmas faixas do disco precursor, e novas versões de estúdio das canções “Novos Horizontes”, “Freud Flinstone”, “Nunca Se Sabe”, “Eu Que Não Amo Você”, “A Perigo”, “Concreto e Asfalto” e “Sem você”.

Começava com esta formação, seguindo novamente o mercado musical (quando bandas mais pesadas começaram a ter mais espaço), de som mais limpo e pesado. Isso se confirma em 2002, com o lançamento do disco Surfando Karmas & DNA, disco que consolida a nova fase da banda, e que tem a participação especial do ex-Engenheiros Carlos Maltz na faixa “E-stória”. São destaques do disco a faixa título e as canções “Terceira do Plural”, “Esportes Radicais”, “Ritos de Passagem” e “Nunca Mais”. Há influência do punk rock e pop rock nas novas canções.

O disco seguinte, Dançando no Campo Minado, de 2003, mantém a regra: sonoridade muito similar ao seu antecessor com músicas curtas, guitarras pesadas e poesia crítica de Gessinger denunciando os males da globalização, da desilusão política e ideológica e da guerra, nas canções “Fusão a Frio”, “Dançando no Campo Minado”, “Dom Quixote” e “Segunda Feira Blues” (partes I e II, esta última novamente com a participação de Carlos Maltz), porém, convivendo com um certo otimismo na parte mais emotiva da vida. Emplaca nas rádios a canção Até o Fim.

Acústico MTV e Acústico II:Novos Horizontes (Turnês Acústicas)(2004 – 2008)

Para comemorar os vinte anos de banda, completados em 2005, os Engenheiros do Hawaii lançaram o CD e DVD Acústico MTV. O acústico tem as participações especiais dos músicos Humberto Barros (órgão Hammond) e Fernando Aranha (violões). Este último já havia feito uma participação especial no disco anterior. O disco se diferencia dos demais por não trazer participações especiais, apenas “fraternais”: Clara Gessinger, filha de Humberto, divide os vocais com o pai na canção Pose (executada com parte da letra cortada) e Carlos Maltz, co-fundador e ex-baterista dos Engenheiros, que canta junto com Gessinger a canção Depois de Nós, de sua autoria.

Além dos grandes sucessos, como Infinita Highway, Somos Quem Podemos Ser e O Papa é Pop e das canções recentes, como Surfando Karmas & DNA e Até o Fim, o disco traz as canções O Preço e Vida Real, ambas do álbum Humberto Gessinger Trio. Por fim, acrescentam-se ainda as canções inéditas “Armas Químicas e Poemas” e “Outras Frequências”. Durante a turnê do Acústico, Paulinho Galvão deixa a banda e seu posto é assumido por Fernando Aranha. Nos teclados, por sua vez, o jovem Pedro Augusto assume o lugar de Humberto Barros, que já fazia parte da banda de apoio do Kid Abelha.

O novo disco, Acústico II: Novos Horizontes, foi gravado nos dias 30 e 31 de maio de 2007, em São Paulo, no Citibank Hall, e foi lançado em agosto de 2007 com nove faixas inéditas, além de nove regravações. O disco quebrou a seqüencia de a cada 3 discos em estúdio, ser gravado um “ao vivo”. Também foi palco de novas experiências para Gessinger, como a viola caipira que usa em algumas músicas do álbum. Segundo ele, se tivesse que rever todas as obras dos Engenheiros do Hawaii, ‘Novos Horizontes’ é o que não mexeria em nada. Destaque maior para as faixas inéditas “Guantánamo”, “Coração Blindado”, “No Meio de Tudo, Você” e “Quebra-Cabeça”. No fim de 2007, o então baixista Bernardo Fonseca sai da banda e Humberto Gessinger assume o baixo. Desde então a banda voltou a utilizar guitarras em seus shows.

No ano de 2008, após shows pelo Brasil inteiro, a banda termina a turnê acústica, começada em 23 de julho de 2004 com o lançamento do Acústico MTV.

Atividades interrompidas

Junto com a turnê terminam, pelo menos temporariamente, as atividades dos os Engenheiros do Hawaii. O vocalista e líder da banda, Humberto Gessinger declarou no site oficial da banda que os planos de retorno da banda são somente no ano de 2012, quando serão comemorados os 25 anos do lançamento do álbum A Revolta dos Dândis, segundo LP da banda. Lembrando que já é a terceira vez que Gessinger adia o retorno dos Engenheiros.

Nos últimos três anos, Gessinger vem se dedicando ao Pouca Vogal, parceria com Duca Leindecker, vocalista do Cidadão Quem. Juntos eles cantam novas baladas e grandes sucessos de suas bandas.

Livros de Humberto Gessinger

Humberto Gessinger já lançou 3 livros, “Meu Pequeno Gremista”, “Pra Ser Sincero – 123 Variações Sobre Um Mesmo Tema”, em 2007 e o livro “Mapas do Acaso – 45 Variações Sobre Um Mesmo Tema” em fevereiro de 2011.

Integrantes

Humberto Gessinger – Voz, Baixo, Viola caipira, Harmônica,
Dobro, Bandolim e Piano (1985-atualmente)
Fernando Aranha – Guitarra e Violões (2004-atualmente)
Glaucio Ayala – Bateria e Vocais (2001-atualmente)
Pedro Augusto – teclado (2005-atualmente)

Ex-Integrantes

Carlos Stein – Guitarra (1985)
Marcelo Pitz – Baixo (1985-1987)
Augusto Licks – Guitarra, Violão, Teclados, e Midi Pedalboard (1987-1994)
Carlos Maltz – Bateria (1985-1996)
Ricardo Horn – Guitarra e Violão(1994-1996)
Paolo Casarin – Teclados e acordeom (1995-1996)
Fernando Deluqui – Guitarra e Violão(1995-1996)
Luciano Granja – Guitarra e Violão (1996-2001)
Adal Fonseca – Bateria (1996-2001)
Lúcio Dorfman – Teclados (1997-2001)
Paulinho Galvão – Guitarra e Violão (2001-2005)
Bernardo Fonseca – Baixo (2001-2008)

Discografia

Longe Demais das Capitais 1986
A Revolta dos Dândis 1987
Ouça O Que Eu Digo, Não Ouça Ninguém 1988
Alívio Imediato 1989
O Papa é Pop 1990
Várias Variáveis 1991
Gessinger, Licks & Maltz 1992
Filmes de Guerra, Canções de Amor 1993
Simples de Coração 1995
Humberto Gessinger Trio 1996
Minuano 1997
!Tchau Radar! 1999
10.000 Destinos (Ao Vivo) 2000
10.001 Destinos (Ao Vivo) 2001
Surfando Karmas & Dna 2002
Dançando no Campo Minado 2003
Acústico MTV 2004
Novos Horizontes 2007

F o t o s

__________

V i d e o s

__________

Topo

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: