Raízes Aéreas

Nine Inch Nails

In Música pelo mundo on 28 de agosto de 2010 at 23:02

Nine Inch Nails (abreviado como NIN) foi uma banda de rock industrial, fundada em 1988 por Trent Reznor em Cleveland, Ohio, Estados Unidos, e encerrada em 2009 em Los Angeles, Califórnia, no mesmo país de origem. Reznor foi o único membro oficial do Nine Inch Nails e permaneceu responsável sozinho por sua direção musical, sendo o principal produtor, cantor, compositor e multi-instrumentista.

Os estilos musicais do NIN abrangem uma grande variedade de gêneros, enquanto retendo um som caracteristicamente intenso usando instrumentos e processos eletrônicos. É um trabalho autoral e sempre atento cuidadosamente aos detalhes da produção. Após gravar um novo álbum, Reznor geralmente reúne uma banda para acompanhá-lo em apresentações ao vivo; este componente ao vivo é uma entidade separada do Nine Inch Nails no estúdio de gravação.

Devido aos seus álbuns conceituais, geralmente Trent Reznor incorpora em seus shows algum personagem que vive à margem da sociedade, beirando entre a depressão e a insanidade. As canções envolvem temas como a introspecção, desespero, exclusão social, e críticas às religiões, ao consumismo e ao mundo das celebridades. Nos palcos, o NIN comumente faz espetáculos artísticos, empregando elementos visuais espetaculares para acompanhar suas performances, que frequentemente culminam com a banda destruindo instrumentos musicais.

Audiências do underground receberam calorosamente o Nine Inch Nails em seus primórdios. Diversos discos influentes nos anos 90 alcançaram vasta popularidade: muitas canções do Nine Inch Nails se tornaram sucesso nas rádios, duas gravações do NIN ganharam Grammy Awards, e a banda vendeu mais do que vinte milhões de álbuns no mundo todo, com 10,5 milhões de vendas certificadas somente nos Estados Unidos. O Nine Inch Nails é considerado um ícone da música alternativa e experimental, inclusive tendo sido listado pela Rolling Stone como 94 em sua lista de 100 maiores artistas do rock de todos os tempos em 2004. A despeito deste sucesso, a banda teve vários feudos com o lado corporativo da indústria fonográfica. Trent Reznor anunciou em 2007 que o Nine Inch Nails prosseguirá independentemente de gravadoras.

O primeiro álbum longe das gravadoras, Ghosts I-IV, foi lançado online em uma variedade de formatos físicos e digitais através do website do grupo e contém 36 faixas instrumentais numeradas, intituladas “Ghosts”, em 4 divisões. Após pouco mais de dois meses, a banda lançou outro álbum, disponibilizando-o grátis na íntegra pela página oficial, chamado The Slip, podendo ser distribuído livremente sem conflito com os direitos autorais.

Primórdios

Logotipo da banda criado por Trent Reznor e Gary Talpas.

Em 1987, Reznor tocou teclados com uma banda de Cleveland chamada Exotic Birds, que tinham como agente John Malm Jr. Reznor e Malm se tornaram amigos, e quando Reznor deixou o Exotic Birds para trabalhar em suas próprias músicas, Malm informalmente se tornou seu agente. Reznor estava empregado na época como assistente de engenharia de som e zelador no Right Track Studios, e pediu ao dono do estúdio Bart Koster por permissão para gravar algumas demos de suas próprias canções de graça durante tempo não usado do estúdio. Koster concordou, lembrando que o custava “somente um desgaste nos [seus] tape heads”. Enquanto juntando essas, as primeiras gravações do NIN, Reznor não conseguiu encontrar uma banda que articulasse suas canções como ele queria. Ao invés, inspirado em Prince, ele tocou todos os instrumentos sozinho exceto bateria. Este papel permanece de Reznor na maior parte das gravações de estúdio da banda, apesar de ele ocasionalmente envolver outros músicos e assistentes. Em 1988, após tocar sua primeira turnê abrindo para o Skinny Puppy, as ambições de Reznor para o Nine Inch Nails eram de lançar um single de 12 polegadas em um pequeno selo europeu. Várias gravadoras responderam favoravelmente ao material da demo, e Reznor assinou com a TVT Records. Nove seleções das demos do Right Track foram não oficialmente lançadas em 1994 como Purest Feeling; muitas destas canções apareceriam de forma revisada em Pretty Hate Machine, de 1989.

Reznor disse em 1994 que ele criou o nome “Nine Inch Nails” porque ele “abreviava facilmente”, ao invés de “qualquer significado literal”. Rumores com outras explicações circularam, alegando que Reznor escolheu referenciar a crucificação de Jesus com pregos de nove polegadas, ou as unhas de nove polegadas de Freddy Krueger. Reznor e Gary Talpas desenharam o logotipo do Nine Inch Nails, que consiste nas letras “NIN” dentro de uma margem com o segundo “N” espelhado. O logotipo apareceu pela primeira vez no vídeo de “Down in It” e foi inspirado pela tipografia de Tibor Kalman no álbum do Talking Heads, Remain in Light. Talpas, um nativo de Cleveland, continuaria a fazer o design de arte do NIN até 1997.

Pretty Hate Machine

Escrito, com arranjos feitos e tocados por Trent Reznor, o primeiro álbum do NIN Pretty Hate Machine estreou em 1989. Marcou a primeira colaboração de Reznor com Adrian Sherwood (que produziu o primeiro single “Down in It” em Londres, Inglaterra sem ter conhecido Reznor face à face) e Mark “Flood” Ellis. A produção de Flood apareceria em todos os principais lançamentos do Nine Inch Nails até 1994, e Sherwood fez remixes para a banda até 2000. Reznor e seus co-produtores expandiram as demos Purest Feeling, e adicionaram os futuros singles “Head Like a Hole” e “Sin”. Michael Azerrad, da Rolling Stone, descreveu o álbum como “a força do barulho do industrial em uma moldura pop” e “música angustiante, mas grudenta”; Reznor proclamou esta combinação “um manifesto sincero” do “que estava na mente [dele] naquela época”. Após passar 113 semanas na Billboard 200, Pretty Hate Machine se tornou um dos primeiros discos independentes a obter certificação de platina. MTV exibiu os vídeos para “Down in It” e “Head Like a Hole”, mas um vídeo explícito para “Sin” foi somente lançado no vídeo de 1997, Closure.

Em 1990, NIN saiu em turnê pela América do Norte como banda de abertura para artistas do rock alternativo como Peter Murphy e The Jesus and Mary Chain. Em certo ponto, Reznor começou a quebrar seu equipamento enquanto no palco; o entrevistador da Rockbeat Mike Gitter atribuiu o sucesso inicial do NIN em frente a audiências de orientação rock a esta atitude agressiva. Nine Inch Nails então embarcou numa turnê mundial que continuou através do primeiro festival Lollapalooza em 1991, onde a banda “roubou o show” dos artistas principais Jane’s Addiction apesar de vários problemas de equipamentos. Após uma desastrosa recepção européia abrindo para o Guns N’ Roses, NIN retornou aos Estados Unidos no meio de pressão da TVT para produzir um sucessor mais comercial para Pretty Hate Machine. Em resposta, Reznor secretamente começou a gravar sob vários pseudônimos para evitar interferência da gravadora.

Ghosts I-IV

Em 16 de fevereiro de 2008, Reznor postou uma atualização misteriosa no website do Nine Inch Nails intitulada “2 semanas”. em 2 de março, o sítio lançou Ghosts I-IV, um álbum com 36 faixas instrumentais. Nenhuma informação foi dado sobre o álbum antes do seu lançamento.

Ghosts I-IV continua a recente experimentação com distribuição digital. Como In Rainbows do Radiohead e The Inevitable Rise and Liberation of NiggyTardust! de Saul Williams (o qual Reznor ajudou a produzir), o álbum está disponível em várias formas diferenciadas, incluindo um download grátis do primeiro volume, um download digital de $5, um CD duplo de $10, um edição de luxo de $75 e um pacote de edição limitada ultra-de luxo de $300, que teve vendidas todas as 2500 cópias. A distribuição de Ghosts I–IV foi descrita por muitos críticos como uma ótima maneira para escapar das gravadoras e um método de distribuição que outras bandas deveriam seguir, ainda que alguns questionaram o sucesso de sua implementação técnica.

O álbum foi criado num período de 10 semanas e os contribuidores incluem Atticus Ross, Alan Moulder, Alessandro Cortini, Adrian Belew, e Brian Viglione. Reznor descreveu a coleção de 36 faixas como uma “trilha-sonora para sonhar acordado” que é “o resultado de trabalhar a partir de uma perspectiva muito visual — cobrindo locações e cenários imaginados com som e textura”. O álbum está licensiado sob um licença Creative Commons Attribution Non-Commercial Share Alike. Na página oficial do Nine Inch Nails, Reznor comentou que uma “parceria e experiência excitante em relação a este lançamento” estava para ser anunciada logo. Esta parceria acabou sendo um projeto de vídeos ao estilo festival de filmes patrocinado pelo YouTube. Reznor também afirmou que “mais volumes de Ghosts provavelmente aparecerão no futuro.”

The Slip

No começo de abril de 2008, Nine Inch Nails postou várias fotos no Flickr mostrando a banda, incluindo Josh Freese e Robin Finck, em um estúdio de gravação. Uma atualização feita em 21 de abril de 2008 na página oficial da banda dizia “2 semanas!”, ecoando uma mensagem misteriosa similar postada em 16 de fevereiro de 2008 que resultou no lançamento de Ghosts I-IV. Estações de rádio estado-unidenses começaram a tocar um novo single intitulado “Discipline” em 22 de abril. As estações de rádio foram permitidas a providenciar seus ouvintes com links online para a canção, através do sítio do NIN, como download gratuito junto com os arquivos multitrack para remixar. Em 2 de maio, uma nova canção chamada “Echoplex” foi lançada através do perfil da banda no iLike do Facebook.

Em 5 de maio de 2008, NIN lançou The Slip, em sua página oficial sem qualquer anúncio ou promoção. O álbum está disponível para download sem custo, e ele está todo licenciado na licença Creative Commons Attribution Non-Commercial Share-Alike. Cópias físicas em vinil e CD estarão disponíveis para compra em julho. Desde que foi lançado, The Slip viu os downloads individuais ultrapassarem 1,4 milhões.

Desde o lançamento de Ghosts I–IV e The Slip, uma turnê de 25 datas chamada Lights in the Sky foi anunciada para diversas cidades norte-americanas, e foi mais tarde expandida para incluir mais datas norte-americanas, assim como datas na América do Sul, incluindo duas apresentações no Brasil em outubro (Porto Alegre e São Paulo), posteriormente canceladas devido a “problemas técnicos”. Cortini e Freese retornaram como membros das turnês anteriores, enquanto Robin Finck voltou à banda. A formação inicialmente incluiria Rich Fownes, mas antes de qualquer performance ser agendada, foi revelado que Justin Meldal-Johnsen contribuiria no baixo. A turnê tem sido vastamente elogiada por suas performances de luz e grande lista de músicas, geralmente incluindo canções de Ghosts I-IV em um set especial “acústico”.

Em 8 de outubro de 2008, após finalizarem seu último concerto na América do Sul, Trent Reznor postou no blog do website oficial do Nine Inch Nails que Josh Freese deixaria a banda após completar a segunda perna da turnê. Em 15 de novembro de 2008, Reznor anunciou via website oficial que Ilan Rubin do Lostprophets substituirá Freese após sua saída no final de 2008.

O fim da banda

No dia 10 de setembro de 2009, ocorreu o show de despedida, realizada para 2.200 pessoas em Los Angeles, através de um repertório de 38 músicas que passeou por toda a carreira da banda.

Ao lado do guitarrista Robin Finck, do baixista Justin Meldal Johnsen e do baterista Ilan Rubin, Reznor disse que o Nine Inch Nails não fará mais turnê como banda, “mas todos nós continuaremos fazendo música”, acrescentou.

O setlist contou com clássicos da banda, como “Closer”, “March of the Pigs” e “Hurt”. No palco, Reznor e seus companheiros receberam Gary Numan, o pianista Mike Garson, que trabalhou com a banda no disco “Fragile” (1999), e o guitarrista do Jane’s Addiction, Dave Navarro, para participar de “Piggy (Nothing Can Stop Me Now)”.

A edição online da revista norte-americana “Rolling Stone” disse que Trentor Reznor “terminou o Nine Inch Nails na potência máxima”. No início do ano, Reznor escreveu no site da banda que “2009 marca o aniversário de 20 anos de nossos primeiros lançamentos. Estive pensando e agora é a hora de desaparecer por um tempo”.

Influência

Nine Inch Nails tem influenciado muitos novos artistas, que, de acordo com Reznor, variam de “imitações genéricas” datando do sucesso inicial do NIN a bandas mais jovens ecoando seu estilo em uma “forma mais verdadeira, menos imitativa”. Seguindo o lançamento de The Downward Spiral, artistas do mainstream começaram a tomar conhecimento da influência do Nine Inch Nails: David Bowie comparou o impacto do NIN àquele do The Velvet Underground. Em 1997, Reznor apareceu na lista da revista Time das pessoas mais influentes do ano, e a revista Spin o descreveu como “o artista mais vital na música”. A RIAA certificou vendas de 10.5 milhões de unidades dos álbuns da banda nos Estados Unidos, que contabilizam por aproximadamente metade das vendas da banda ao redor do mundo. Bob Ezrin, produtor do Kiss, Alice Cooper, Peter Gabriel e Pink Floyd, descreveu Reznor em 2007 como um “verdadeiro visionário” e aconselhou artistas aspirantes a tomar nota de sua atitude de não compromisso. Durante uma rara aparição no Kerrang! Awards em Londres naquele ano, Nine Inch Nails aceitou o Kerrang! Icon, honrando a longínqua influência da banda no rock.

Integrantes

Nine Inch Nails como uma banda ao vivo é geralmente entendida como sendo uma entidade separada de seu componente de estúdios de gravação. Ocasionalmente, ex-membros da banda são convidados a participar no processo, mas quando não diretamente envolvidos com a gravação de novo material, a formação do Nine Inch Nails tende a mudar drasticamente entre grandes turnês. Exceto por Trent Reznor permanecendo nos vocais e guitarra, nada sobre a banda ao vivo permaneceu constante desde seu princípio. Reznor citou os longos períodos de gestação entre álbuns de estúdio como parte da razão para estas freqüentes mudanças de pessoal. A encarnação da banda ao vivo em 2008 consiste em Reznor com Alessandro Cortini, Robin Finck, Josh Freese, e Justin Meldal-Johnsen.

Discografia

Pretty Hate Machine (1989)
Broken (EP) (1992)
The Downward Spiral (1994)
The Fragile (1999)
With Teeth (2005)
Year Zero (2007)
Ghosts I-IV (2008)
The Slip (2008)

Conflito com a Universal Music Group

Em maio de 2007, Reznor fez uma atualização na página oficial de Nine Inch Nails condenando a Universal Music Group (companhia que é dona da gravadora do Nine Inch Nails, Interscope Records) pelos seus planos de preços e distribuição para Year Zero. Ele criticou o preço a varejo de Year Zero na Austrália como “ABSURDO”, concluindo que “como recompensa por ser um ‘fã verdadeiro’, você é roubado”. Reznor continuou a dizer que à medida que “o clima se torna mais e mais desesperador para as gravadoras, a resposta delas para o seu basicamente ferimento auto-infligido parece ser ferrar o consumidor cada vez mais”. A atualização de Reznor, especialmente seu criticismo com a indústria das gravadoras em geral, gerou considerável atenção da mídia.

Em setembro de 2007, Reznor continuou o seu ataque à UMG num concerto na Austrália, incitando fãs a “roubar” a sua música online ao invés de comprá-la legalmente. Reznor continuou a encorajar a platéia para “roubar e roubar e roubar e roubar mais um pouco e dar tudo para seus amigos e continuando a roubar”.

Reznor anunciou em 8 de outubro de 2007 que Nine Inch Nails tinha cumprido os seus compromissos contratuais com a Interscope Records e agora estava livre para proceder como um “agente totalmente livre, livre de qualquer contrato de gravação com qualquer gravadora”. Reznor também especulou que lançaria o próximo álbum do NIN online de forma similar a The Inevitable Rise and Liberation of NiggyTardust!, que ele produziu.

Através de outra atualização da página oficial do NIN, Reznor novamente criticou abertamente a Universal Music Group por não deixá-lo lançar um sítio oficial interativo de remixes para os fãs, http://remix.nin.com. Universal negou hospedar a página dias antes de seu lançamento programado, citando a potencial “acusação”, de acordo com Reznor, “que eles estão a promover a mesma violação técnica dos direitos autorais que eles estão a processar [outras companhias de mídia] por.” Reznor escreveu em resposta que ele foi “desafiado no último segundo a encontrar uma forma de trazer esta idéia para a vida sem ser atingido pela urina enquanto essas companhias de mídia mijam umas nos pés das outras”. Apesar destes desafios, a página de remix foi lançada em 27 de novembro de 2007.

Fotos

__________

Videos

__________

__________

Topo

______

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: