Raízes Aéreas

Muse – The Resistance – 2009

In Música pelo mundo, Sugestões de Álbuns on 6 de junho de 2010 at 20:58

The Resistance é o quinto álbum de estúdio da banda inglesa de rock alternativo Muse, lançado na Europa em  14 de setembro de 2009. Após o lançamento, The Resistance ficou no topo das paradas e das vendas em pelo menos 16 países, inclusive na América do Norte. O álbum conseguiu superar seu predecessor, Black Holes and  Revelations, em vendas na primeira semana no Reino Unido com mais de 148 mil cópias vendidas. O álbum  também foi muito bem nos Estados Unidos estreando na terceira posição na Billboard 200, vendendo 128 mil  cópias na primeira semana de vendas naquele país. Os criticos receberam muito bem o álbum, com destaque a sua ambição e inovação, com influências clássicas como na canção dividia em três partes intitulada “Exogenesis:  Symphony”. O álbum foi produzido e mixado pela banda e pelo produtor Mark Stent.

Produção e gravação

Seguindo o sucesso de Black Holes & Revelations e de uma bem sucedida turne mundial, a revista ingles NME  publicou uma matéria especulando sobre o quinto álbum da banda, que eles estariam planejando um álbum ao estilo mais eletrônico e estavam carregados de idéias. Logo a banda confirmou que seu próximo álbum não seria “convencional” e que podia ser até uma série de singles que seriam liberados em série. Em 22 de maio de 2008, a NME divulgou que o Muse já estava escrevendo novas músicas para o novo álbum e o lider, guitarrista  e pianista Matthew Bellamy disse em entrevista: “é impossivel dizer o que isso tudo vai dar […] pode ser apenas  um álbum normal, mas também bem pode ser só uma série de singles ou pode ser uma sinfonia de 50  minutos, você sabe o que isso significa? Quem sabe?”  Logo após a divulgação da notica que o Muse estava gravando um novo disco e que este CD seria ‘diferente’  começaram boatos a respeito de como as músicas sairiam. A banda então começou a gravar o novo álbum no começo de 2009 e que seria lançado perto do fim do mesmo ano. Pouco depois a Warner Bros. Records  anunciou que o álbum seria lançado em setembro. Uma das curiosidades anunciadas por Bellamy foi uma canção de 15 minutos que seria dividida em três partes e que ela soaria mais como música clássica. A banda também anunciou uma turne de divulgação durante o outono europeu.

Em 22 de maio foi divulgado no twitter da banda o nome do álbum, que seria chamado The Resistance, e a primeira faixa revelada foi a música “United States of Eurasia”. Em 16 de junho de 2009 foi confirmado no site  oficial da banda a data exata do lançamento do álbum, 14 de setembro de 2009. A banda então seguiu para Nova York afim de terminar o álbum que já esta nos estágios finais de pós-produção. Em 14 de julho o Muse  confirmou, via twitter, que a canção “Uprising” seria o primeiro sigle do CD.

Em 17 de agosto de 2009, o iTunes liberou um preview de 30 segundos de cada canção em seu site. Em 7 de setembro de 2009, “Undisclosed Desires” é liberada no site oficial da banda. Então apartir de 10 de setembro, o álbum inteiro foi disponibilizado no site do The Guardian.

Em 9 de setembro de 2009 foi anunciado que The Resistance seria liberado no iTunes como um dos primeiros LPs do iTunes. Além do álbum completo também tem extras como o trabalho de arte da capa e videos de bastidores. Também foi anunciado em setembro que a banda faria uma participação na trilha sonora do filme Lua Nova, o segundo filme da saga Crepúsculo com um remix da canção “I Belong to You”. A banda também havia participado da trilha sonora do filme anterior com a canção “Supermassive Black Hole”. A versão remix  para o filme New Moon possue uma guitarra adicional que não está presente na versão original e omite a parte ‘Mon cœur s’ouvre à ta voix’. Uma versão instrumental do álbum também foi profissionalmente feita e liberada na internet.  Em janeiro de 2010, foi confirmado que a canção “Resistance” seria lançado como terceiro single deste álbum.

Resistance

Recepção

Após escutar o álbum durante uma entrevista com a banda, o apresentador Zane Lowe da BBC Radio 1 atualizou seu Twitter descrevendo o álbum como “maravilhosamente gravado, forte, arrasador, guerreiro, levantador, chocante e é basicamente sobre amor.” Em 6 de julho de 2009, Zane Lowe falou sobre The Resistance na BBC Radio 1. Lowe mencionou como esse era o álbum mais focado que o Muse ja fez e ele achou que “Exogenesis: Symphony”, que ele disse se encaixar perfeitamente no álbum, é a coisa mais ambiciosa que a banda ja criou. Dan Cairns do The Sunday Times disse que “Muse fez um álbum genial, brilhante e bonito”. Play.com descreveu The Resistance como “uma arrasadora coleção de músicas onde o classico e o rock colidem mas não se arrebentam” e foi além dizendo que o álbum é “uma matéria-prima genuina”.

Perto do lançamento de The Resistance, as criticas foram bastante positivas. O foco dos criticos cairam sobre a parte final do álbum chamada “Exogenesis” onde 40 músicos foram usados na gravação. O site The Fly deu ao álbum duas estrelas, e a “Exogenesis” 5/5 mas deu 3.5/5 para o restante dizendo que “‘Exogenesis…’ é uma estrela brilhante no céu incostante criando em ‘The Resistance'” As revistas Q, Uncut, Mojo e Hotpress deram 4 estrelas para o álbum em uma escala que vai até 5.

Em 15 de setembro de 2009, o álbum foi oficialmente lançado nos Estados Unidos e alcançou o primeiro lugar no iTunes se tornando o primeiro álbum do Muse a chegar em primeiro lugar nas paradas da iTunes na america.

O álbum recebeu nota 6 em uma escala até 10 pela NME. Apesar de acharem o álbum de genial em algumas partes, eles criticaram o CD falando que ele era “previsivel” e algo do tipo “conceitualmente impressionante mas musicalmente familiar”. A PopMatters deu um parecer pior ao álbum, dando 4/10 dizendo que The Resistance não teve a mesma criatividade dos seus antecessores.”

Muitos também criticaram o álbum pela falta de originalidade. A resita Rolling Stone enalteceu “Uprising” dizendo que a música era “saborosa” e provava que Muse ainda podia “bramir um poderoso rugido” mas disse que o álbum era muito cliché e até enfadonho, bem ao estilo Radiohead e Queen.

Em 16 de setembro de 2009, no programa do Glenn Beck, o apresentador elogiou o álbum mas apesar de terem entendido errado depois de uma piada mal feita por Beck, ele não foi pedido para se retratar pela piada pelos representantes da banda, apesar de terem dito que o comentário teria irritado os membros do Muse. Já o guitarrista do Queen, Brian May, gostou da influência de sua banda sobre o som que o Muse incorporou ao seu álbum. “Eu adorei, eu acho que está ótimo,” May disse em uma entrevista a BBC. “Eu acho eles muito bons e muito talentosos, e como nós eles são sempre mal interpretados em boa parte do tempo,” ressaltou May. Ele também descreveu a faixa “United States of Eurasia” como “brilhante”.

Guiding Light

Faixas

1. Uprising   5:02
2. Resistance   5:46
3. Undisclosed Desires   3:56
4.”United States of Eurasia (+Collateral Damage)   5:47
5. Guiding Light   4:13
6. Unnatural Selection   6:54
7.”MK Ultra   4:06
8. I Belong to You (+Mon Cœur S’ouvre à ta Voix)   5:38
9. Exogenesis: Symphony Part I (Overture)   4:18
10. Exogenesis: Symphony Part II (Cross Pollination)   3:56
11. Exogenesis: Symphony Part III (Redemption)   4:37

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: