Raízes Aéreas

New Order

In Música pelo mundo on 24 de outubro de 2009 at 6:20

New Order é uma banda inglesa de rock e música eletrônica formada em Manchester no ano de 1980 pelos integrantes do grupo Joy Division logo após o suicídio do vocalista Ian Curtis. A banda é amplamente considerada a difusão máxima entre rock e musica eletrônica, foi pioneira na união do rock com ritmos eletrônicos dançantes (principalmente a disco music sintetizada e o electropop). Tanto por sua música quanto por sua própria casa noturna inaugurada em 1982, a Haçienda, o New Order é um dos nomes da música mais importantes no rock e na música eletrônica, ao lado das bandas Depeche Mode e Kraftwerk.

Sua formação atual inclui Bernard Sumner (vocais, guitarra), Stephen Morris (bateria) e Phil Cunningham (guitarra, sintetizadores). Em 2001, a tecladista/guitarrista Gillian Gilbert (entrou em 1980, casada com Stephen Morris) saiu da banda devido a problemas familiares, e em 2007 o baixista Peter Hook anunciou sua saída da banda devido a desentendimentos com Bernard e Stephen. Após a saída de Hook, a banda se desfez. Em 2011, houve o retorno da banda, porém sem Peter Hook que foi substituído por Tom Chapman. Gillian Gilbert, membro original da banda volta a integrar o grupo, tocando teclado e sintetizadores. A banda é uma das confirmadas para o festival UMF Brasil 2011, sua primeira apresentação no Brasil após a volta do grupo.

Inicio e Movement

Formados no início da década de oitenta em Manchester, Inglaterra, o New Order era constituído inicialmente por três membros do Joy Division, cuja carreira foi prematuramente interrompida com o suicídio do vocalista Ian Curtis, em maio de 1980. Os membros remanescentes do Joy Division, Bernard Sumner (guitarra), Peter Hook (baixo) e Stephen Morris (bateria) decidiram continuar, apesar da tragédia, e optaram por mudar o nome para New Order, denominação que deveria passar a idéia de mudança e renascimento, mas que despertou suspeitas entre os jornalistas sobre as filiações políticas do grupo (“Nova Ordem” era o que Adolf Hitler pretendia impor à humanidade caso tivesse vencido a Segunda Guerra Mundial). Entretanto, mais tarde o livro “24 Hour Party People”, de Tony Wilson, revelou que o nome era uma referência ao Khmer Vermelho e foi sugerido pelo empresário da banda na época, Rob Gretton, após ter assistido na TV um documentário sobre a revolução no Camboja. Especula-se também que o nome poderia ter sido uma homenagem aos Stooges, embrionário grupo proto-punk, que foi uma grande influência no som da banda quando ainda se chamavam Joy Division. New Order foi o nome dado pelo guitarrista Ron Asheton ao seu novo conjunto depois do fim dos Stooges.

Em junho de 1980, Sumner, Hook e Morris fizeram a sua primeira gravação de estúdio acompanhados por Kevin Hewick. A faixa resultante desse trabalho, “Haystack”, foi editada na coletânea From Brussels with Love. A canção foi uma das primeiras a fazer parte do novo material que o trio vinha compondo logo após a morte de Ian Curtis. Uma segunda música, “A Piece of Fate”, também foi gravada com a participação de Hewick, mas este fonograma nunca viu a luz do dia. Kevin produziu esta faixa ao longo dos anos e ela foi lançada pelo cantor em 1993 com o nome “No Miracle”. No mês seguinte, a banda faria algumas gravações no famoso estúdio da banda Cabaret Voltaire, o Western Works, em Sheffield, Inglaterra. As famosas Western Works Demos continham uma música que vinha sendo trabalhada ainda com o Joy Division (“Ceremony”, que na demo aparece cantada por Stephen Morris) e, ainda, mais três faixas totalmente novas (“Truth”, “Dreams Never End” e “Homage”).

Após algumas apresentações ao vivo como trio, Gillian Gilbert foi integrada à banda para tocar teclados e guitarra, enquanto Bernard Sumner se consolidava no posto de vocalista, ocasionalmente dividido com Peter Hook. Gillian fez sua primeira participação no grupo quando ainda se chamavam Joy Division: num concerto em Liverpool, por causa de um acidente em que Sumner feriu a mão, ela substituiu-o na guitarra.

O primeiro single do New Order, lançado em 1981, continha duas músicas escritas ainda nos tempos dos Joy Division, mas que ainda não tinham sido terminadas por causa da morte de Curtis: “Ceremony”, que agora é amplamente considerada uma das melhores canções de pós-punk de todos os tempos e “In a Lonely Place”. Em setembro do mesmo ano, pela Factory Records, editora independente que os abrigava desde 1978, lançam o compacto “Procession”, que antecedeu o lançamento de Movement, o primeiro álbum, em novembro. O álbum mostrou um estilo semelhante ao Joy Division (os temas sombrios, depressivos, e os arranjos atmosféricos), embora com mais sintetizadores.

Suposto fim da banda e saída de Peter Hook

Em 2007 Peter Hook anunciou sua saída e o fim da banda. Após conflitos com Bernard e Stephen, que afirmam que a saída de Hook não significa o fim da banda, que continua em atividade. O NewOrderOnline, site com suporte da banda, noticiou que de acordo com “uma fonte próxima da banda,” “as notícias sobre o fim são falsas… O New Order continua a existir, ao contrário do que diz […] Peter Hook pode sair, mas isso não significa o fim do New Order.”

Em 20 de Julho de 2007, Morris e Sumner noticiaram que o New Order continua a trabalhar sem Hook, expressando sua posição sobre o assunto do fim da banda. A nota oficial informa: “Após 30 anos em uma banda estamos muito desapontados que Hooky decidiu ir a público e anunciar unilateralmente que o New Order acabou. Nós esperávamos que ele conversasse conosco antes de qualquer coisa. Ele não fala pela banda toda, de qualquer forma, podemos apenas assumir que ele não quer mais fazer parte do New Order.”

Em 2009, Bernard Sumner junto com Phil Cunningham e Jake Evans formaram o Bad Lieutenant e convidaram Stephen Morris (do New Order), e os baixistas Alex James (do Blur) e Tom Chapman para tocarem no álbum de estréia da banda, “Never Cry Another Tear”, lançado em outubro de 2009, mas não são membros fixos.

O “novo” New Order

Em 2011, foi divulgado na internet que o New Order se reuniria novamente, porém sem Peter Hook, para dois concertos de caridade para arrecadar dinheiro para o tratamento médico de Michael Schamberg, produtor de grande parte dos vídeos da banda e amigo próximo dos integrantes, e que sofreria de uma grave doença. Para esta reunião, o “novo” New Order teria, além de Bernard Sumner e Stephen Morris, o guitarrista e tecladista Phil Cunningham (que havia sido oficialmente incorporado ao grupo na época de Waiting for the Sirens’ Call e que também fazia parte do Bad Lieutenant), o baixista Tom Chapman (que também colaborou com o Bad Lieutenant gravando algumas músicas de Never Cry Another Tear e acompanhando o grupo em turnê) e ninguém menos que Gillian Gilbert, que estava de volta depois de mais de uma década. Os shows foram realizados em Bruxelas e em Paris, respectivamente nos dias 17 e 18 de outubro de 2011. As apresentações tiveram excelente recepção em termos de crítica e público, sobretudo porque o set list continha canções que haviam sido deixadas de ser tocadas há muito tempo, como “Age of Consent“, “5-8-6“, “Elegia” e “1963“, e também porque a banda decidiu atualizar os arranjos de algumas músicas.

Na ocasião em que a reunião foi anunciada, Peter Hook, em entrevista concedida ao site “Spinner”, reagiu mal à reunião do New Order e declarou que havia mais do que shows beneficentes nos planos do grupo. Os rumores lançados pelo baixista se mostraram verdadeiros imediatamente após os shows na Bélgica e na França: rapidamente vazaram pela internet as datas dos concertos seguintes: um em São Paulo (na edição Brasileira do Ultra Music Festival, dia 03 de dezembro de 2011), Santiago (05 de dezembro) e em Londres (10 de dezembro). No novo site da banda (newordernow.net), foi publicado um informe dizendo: “Após a bem documentada saída do baixista Peter Hook na primavera de 2007, o New Order é agora: Stephen Morris (bateria), Bernard Sumner (vocal, guitarra), Gillian Gilbert (teclado, guitarra), Phil Cunningham (guitarra, teclado), Tom Chapman (baixo)”. Sumner, após o show em Paris, chegou a declarar que não descarta a possibilidade da nova formação do New Order lançar um disco de estúdio novo. Enquanto isso, Peter Hook está tentando frustrar os planos do ex-colegas com uma ação judicial e chegou a alegar que “New Order sem mim é como o Queen sem Freddie Mercury”.

Pouco antes da polêmica sobre a volta do New Order, foi lançada uma nova coletânea, Total: From Joy Division to New Order, a primeira a trazer, num único CD, êxitos tanto do Joy Division como New Order como forma de mostrar ao público a transição entre estas duas fases da banda. Para a grande surpresa dos fãs, a coletânea continha uma faixa inédita, “Hellbent“, que é uma sobra de estúdio do álbum Waiting for the Sirens’ Call. Recentemente, Peter Hook anunciou que existem planos para o lançamento das demais sobras desse disco, porém sem data nem formato definidos para isso acontecer.

O esperado álbum com as sobras de “Sirens” chegou a ter seu lançamento anunciado para dezembro de 2011 e algumas lojas virtuais, como a Amazon, chegaram a disponibilizar para pré-venda uma edição deluxe LP + CD. No entanto, “Lost Sirens”, como vem sendo chamado este trabalho, teve seu lançamento adiado para o dia 19 de março de 2012 por razões até o momento desconhecidas. As oito faixas que farão parte do disco são: “Stay With You”, “Sugarcane”, “Recoil”, “Californian Grass (Doomy)”, “Hellbent”, “Shake It Up”, “I Got a Feeling” e um novo mix de “I Told You So”.

Fatos

Algumas canções do Joy Division, como “She’s Lost Control”, “As You Said” “Isolation”, “Something Must Break”, “These Days” entre outras já introduziam experimentações eletrônicas, antecipando os caminhos que mais tarde seriam seguidos pelo New Order. Ian Curtis foi quem apresentou Bernard, Peter e Stephen, ainda no Joy Division, ao rock eletrônico do Kraftwerk, ao Krautrock, à trilogia pop-eletrônica de David Bowie (os álbuns “Low”, “Heroes” e “Lodger”) e aos trabalhos de Brian Eno. Portanto, pode-se dizer que a faceta eletrônica do New Order já havia nascido virtualmente no Joy Division.

Álbuns de estúdio

Movement (1981)
Power, Corruption and Lies (1983)
Low-Life (1985)
Brotherhood (1986)
Technique (1989)
Republic (1993)
Get Ready (2001)
Waiting for the Siren’s Call (2005)
Lost Sirens (2013)

Fonte: Wikipédia.
Atualizado em 04/04/2013.

Vídeos

__________

Blue Monday

Bizarre Love Triangle

Ceremony

Age of Consent

Temptation

Regret

True Faith

Crystal

I’ll Stay With You

The Perfect Kiss

Fotos

__________

Topo

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: